El Reloj Sin Agujas

Minha foto
Levei muita rasteira de mim mesmo e dos outros até começar a entender como as coisas funcionam, mais ou menos, dentro da nossa cabeça... Daí, percebi também que as pessoas não são tão diferentes umas das outras. Foi à custa de muitos tapas na cara que sei o quase-nada que sei hoje sobre mim mesmo. (...) Já franzi muito a testa até aprender a relaxar e parar de negar coisas óbvias como: Papai Noel não existe, nem o Coelinho da Páscoa, meu pai não é meu herói, nem minha mãe é uma santa, minha irmã não é mais virgem, meu irmãozinho não é tão 'zinho', meus conhecidos não são meus amigos, e meus amigos são mais que simples amigos. É ruim aceitar de verdade que eu não sou a melhor pessoa do mundo, nem sequer a mais bem intencionada... Sou uma mistura de reticências e etcétera. Quem sabe, um angiograma ou um angiosperma. Para alguns, uma úlcera.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

RESSONÂNCIAS

Somente a sombra da desintegrada honra
Que cai ao ritmo ofegante das horas

Sem força o ponteiro não anda
O disco arranhado já não gira de pesado

O balanço não balança
A hora não dança
Não mais tenho nos olhos
De brilho inocente criança

Reminiscências de um soluço
Daquele antigo pensamento moço
Agora ruído que de longe ouço

Fortaleza, agosto de 2010.

Nenhum comentário:

Postar um comentário